sexta-feira, 22 de janeiro de 2016

Rubia Stella


Nome: Rubia Stella da Silva 
Idade: 23 anos
O que faz da vida? Formada em Esporte, cursando Fisioterapia, Atleta e Professora de Judô e uma traceuse Emoticon heart.
Há quanto tempo treina? Pergunta difícil, conheci o Parkour através do meu namorado há 4 anos e meio, não sei bem ao certo quando realmente dei meus “primeiros pulos” kkk, mas estou firme, sempre procurando evoluir.


O que você viu no parkour? Uma atividade em que eu não era cobrada por algo ou resultado. Eu poderia ter o meu tempo pra aprender os movimentos e a única cobrança seria a minha. Vi um ambiente sem competição, no começo estranhei porque qual seria o objetivo final de se treinar parkour, se não fosse obter uma medalha ou algo. Mas com o tempo eu percebi que ganhava bem mais do que uma medalha. Fiz muitos amigos, as pessoas são maravilhosa sempre dispostas a ajudar a ensinar, reforcei meu laço amoroso kkk. Sentir a liberdade de treinar em um lugar aberto a hora que eu quisesse é maravilhoso, viajar para treinar e voltar acabada mais maravilhoso ainda, aprender movimentos e conseguir realizá-los, sempre melhorando perfeito kk. O que o parkour significa para você? Significa um novo mundo que se abriu para mim, eu estava tão focada em coisas superficiais que não agregavam em nada pra minha vida. A partir do momento que eu encontrei a pessoa certa, logo veio o parkour e tudo começou a fluir bem. Eu me sinto livre, sinto que posso errar a hora que eu quiser (apesar de eu me cobrar muito kkk) eu tenho esse direto, o Parkour me fez ser mais madura apesar do povo louco aqui de Londrina.

Emoticon heart.

Quais foram as dificuldades quando começou a treinar? Foram muitas e vieram de todos os lugares, antes de eu começar a praticar foram essas, a minha em me adaptar em um ambiente novo (normal para qualquer um). A da minha família por não conhecer o Parkour e a que houve mais “discussão” foi a com meu sensei (professor) e amigos do Judô, por eu ser uma atleta não deveria me arriscar fazendo tal atividade, pois poderia me lesionar. Depois vieram as outras dificuldade/preocupações, ficava com muito medo de me machucar e depois ouvir “eu te avise” , mesmo bem condicionada tinha coisas que eu não conseguir fazer e eu ficava triste. Demorei muito para subir no muro uma tarde inteira dedicada a ele. (sofri ) Assisti a muitos vídeos das meninas fazendo e queria muito ficar boa logo kkk, ainda não sou boa e espero nunca ficar assim posso melhorar um pouco a cada dia.
Você vê semelhanças entre o judô e o parkour? No começo não, achei o oposto, não era competitivo. (Não que o judô seja só competição, mas a minha vida era competição atrás de competição). Não era regrado e não tinha uma rotina especifica do que treinar kkkk. Com o passar do tempo, vi que no parkour exige disciplina, requer conhecimento corporal, confiança, responsabilidade (tanto com o seu corpo, como para o cuidado com o espaço em que esta) e são coisas que eu aprendi com o Judô.

Obs: Muitas meninas falam em como é treinar em um ambiente com muitos homens, no judô sempre teve poucas meninas no treino de Jiu apenas uma. A minha maior dificuldade é interagir, e tentar acompanhar, (quando eu não consigo acompanhar faz com que eu fique um pouco desanimada) kkk mas “bola pra frente que atrás vem gente” treinar treinar e adapatar.

Um comentário: