terça-feira, 20 de março de 2012

O estereótipo nosso de cada treino



Não sei quantas vezes já ouvi comentários sobre fulanas ou beltranas serem 'modas' pelo fato de não usarem o quase uniforme do praticante de parkour bem equipado: calça, camisa larga e tênis. E isso eu já saiu da boca de homens e mulheres, mas a outra ponta sempre, ou quase sempre, é uma mulher.

Me parece um pouco de um lado machista que insiste em sobressair para considerar digna de respeito quem se portar como um homem. Embora ninguém veja problema de um homem treinar de bermuda e sem camisa... Agora, preste atenção nos olhares quando uma praticante mais nova aparece com um short e uma camisetinha regata. Mesmo no calor de fevereiro do Rio, muitos olhares serão estranhos para a novata como se a mesma tivesse de seguir um código de vestimenta.

Sim, um código de vestimenta! Código que está no olhar preconceituoso que acredita que a mulher que vai treinar sem o uniforme do parkour, não se dedicasse ao mesmo. Como se colocar calças e camisetas largas a tornasse uma traceuse de verdade. Uma praticante de parkour de verdade tem atitude e disciplina com o seu treino e apoia quem se interessa pelos treinos.

Aqui no Rio, a Crisna e a Jay sempre treinaram de shorts, embora brincasse com o fato delas serem bonitas, nunca as olhei como se elas fossem 'modas'. Pelo contrário, sempre vi a dedicação destas nos treinos e elas sempre foram inspiração para mim, porque sempre tiveram atitude e postura de treino. E eu não me importo com o que eu visto para o treino, contanto que seja confortável e que eu possa treinar à vontade (com calça de moleton ou lycra, short, etc), já terá cumprido a sua função.

Agora vamos parar de olhar como a outra se veste e vamos investir no treino?

6 comentários:

  1. Falou tudo Tati!
    Treinar para si, é isso que deve acontecer. Belo texto! :)

    ResponderExcluir
  2. Recentemente quase saio no tapa com dona Tacianni. Isso porque ela já é largadona por si só... e eu fui "ousado" de entregar a ela uma camisa de parkour no modelo feminino. Ela ficou tãoooooooo mulherzinha com a camisa! *_*

    Sei lá... eu gosto da feminilidade no parkour. Acho nada a ver se sentirem coagidas a se vestir como meninos para treinar (se eu tivesse dois par de peitos... meu deus... eu ia treinar com o MINIMO DE PESO possível).

    ResponderExcluir
  3. Eu amei o texto.

    Me identifiquei e fico muito grata por ter pessoas que respeitem a opção de cada um, mesmo que seja só com a escolha da roupa.

    Eu já ouvi muitos comentários negativos sobre as minha roupas, as pessoas não querem saber o porque de você estar vestida assim, elas já deduzem instantaneamente que você esta assim porque é moda ou porque quer se mostrar para os traces e blá.

    Cara aqui é quente pra cacete quanto menos roupa melhor! O engraçado é que eu odeio me preocupar com roupa no treino e quanto mais larga mais incomodada eu fico e menor rendimento eu tenho.

    Só a própria pessoa sabe como o seu corpo reage e o que fica melhor nele.

    Não dá para a pessoa deixar de ser ela mesma, se sentir bem, porque alguns acham que ela só será respeitada como traceuse com um tipo específico de roupa. Isso não dá.

    ResponderExcluir
  4. Adorei o texto! A unica coisa que acho importante se atentar é que homem é homem em qualquer estação, nós exigimos respeito, mas é difícil algum deles nos respeitarem se treinamos com um shorts curto e colado, ta no instinto hsuahsauhsa

    Então as vezes é bom colaborar para que eles não fiquem olhando e reparando, um shorts curto com uma camiseta mais larga pode até se tornar interessante, um uma camiseta mais colada com uma calça ou shorts mais larguinho pode ser uma boa pedida. Pelo menos assim podemos fazer qualquer movimentação sem nos preocupar em ficar arrumando a blusa que ta subindo, a calça que ta caindo ou se alguém está olhando dimais! rsrsrs

    ResponderExcluir