terça-feira, 28 de agosto de 2012

Não chore, é verdade.



"Comprei um moleton da moda, prendi o cabelo, fui pro treino daqueles, fiquei dois meses, espalhei pra geral que sou Traceuse, gritei pro mundo que o Parkour me mudou é a melhor coisa que encontrei, fiz amigos, gravei um vídeo... só que agora eu cansei, tchau!"



Que atire a primeira pedra quem nunca  conheceu alguém assim, seja homem ou mulher (é na maioria das vezes somos nós, mulheres)!
Não me pergunte o "porquê" eu juro que também ainda não entendi.
Mas o lance é o seguinte:


Entrei no Parkour a pouco mais de três anos, e admito que no começo eu era do tipo que ia pro treino só pra vestir o moleton e sentar pra conversar com aqueles caras malucos que estranhamente me faziam bem. No entanto, logo de cara eu já sabia que aquilo não era só mais um "esporte de momento", era algo pra mim, algo que eu queria mesmo. 
E não era um dia, um clima e muito menos uma pessoa, que ia conseguir me tirar dali! 
Como eu já disse em alguns textos por aqui, não é fácil continuar no Parkour, digo continuar mesmo. Sabe? Porque vestir um moleton e partir pra um treino, é como beber água na cozinha. 
Quando eu resolvi treinar sério procurei colocar na minha cabeça, antes de tudo, que o Parkour não era pra ser levado como "hobby" de final de semana. Eu tinha que me dedicar mesmo, porque se eu me dedicasse de verdade, o que de ruim podia acontecer? nada! 
Como eu disse também no meu último texto, "o Parkour cria laços em ti". Quando tu resolve ir pra um treino, pra treinar de verdade, sempre tem aquele cara ou aquela menina que chega pra ti e diz, mesmo que por brincadeira, "vamos treinar?" Não sei se com todo mundo é assim, mas pra mim, isso é o começo de um laço. Foi, é e sempre vai ser assim comigo!

Outro dia, pensando em um vídeo, me lembrei com meu pouco mais de 6 meses no Parkour eu vivia a dizer pra um amigo: "meu primeiro vídeo vai ser contigo". E ouvia coisas do tipo "vou estar sempre ao teu lado" "cuidado naquele movimento" "vai, você consegue" "vem, eu tô aqui."
Isso não era começo de um laço qualquer, até mesmo porquê não existe laço qualquer, pra mim aquilo já era um laço! 
É, infelizmente já era. O tempo passou, as coisas mudaram (sabe Deus o porquê) e nosso laço se desfez... pra ele.
E antes que pensem... eu não deixei de treinar, nem de sorrir, nem de tentar coisas novas, nem de procurar força em exercícios extras, nem de ver vídeos de traceurs que eu admiro. Até cheguei a pensar, que aquilo era detalhe e que nada ia mudar afinal eu tenho outros mil traceurs ao meu redor. Que falta isso ia fazer no meu treino?
Pois é, eu estava errada.

"Certos laços quando desfeitos, deixam em algum momento, nós. E alguns nós que são difíceis de desatar." 

O que eu quero dizer com tudo isso, com essa raiva jogada em cima de um texto meio perdido. É que, você não pode se agarrar nas pessoas, seja no Parkour ou seja na tua vida. 
Não chora, é verdade! 
Naquele muro enorme as palavras de estímulo até ajudam bastante, mas quem decide se vai criar força pra subir o muro, é você! E aquele primeiro passo que sempre tem que ser dado, é teu! 
Porque se tu decidir tomar atitude de puxar um treino em um dia qualquer, não vai ser palavra de estímulo que vai te fazer ir, vai ser você!
Eu sei que o Parkour não é considerado esporte lá pelos "grandes", mas ele tem que ser bem mais que isso pra ti. 
Muita vezes, posso dizer até que sempre, é preciso força, coragem e muita vontade tua.
No parkour, no teu colégio, no teu trabalho e na tua vida, existirão obstáculos. E muitas vezes esses obstáculos não serão apenas em forma de palavras, lembranças ou medos. As vezes, eles são em forma de pessoas. 
E eu não vou dizer que basta tempo, coragem e blá blá blá pra se passar por isso, não é bem assim. 
Dói, dói demais! 
Acho que principalmente se dá porque, quase sempre colocamos nossos amigos ou melhor dizendo, nossos "laços" como base, e acabamos esquecendo que hora ou outra teremos que ser a base! E como é que você vai poder ser uma base, se está tão agarrada a sua?

Foi depois de pouco mais de um mês morando "só" que eu entendi, que nos fomos feitos pra dar a mão e ajudar, mas isso só se faz sabendo andar sozinho. 
Sabendo que confiança em você, acima de qualquer coisa, a única pessoa que pode lhe dar é aquela que você vê quando se olha no espelho!

Então não deixa que pessoas "modinhas", palavras inúteis, momentos ou o julgamento da "sociedade" te desviem do teu foco! 
E se um dia teu foco faltar, seja o foco! 


ps: a exatamente 2 anos atrás eu só mandava um wall flip com um "amigo" na frente de uma paredão dizendo "vai Patty tu consegue, ja fez uma vez e vai fazer de novo" 
Passei pouco mais de 7 meses sem conseguir mandar isso sozinha, com medo, com raiva e com saudade! 
Mas a pouco menos de um mês, eu mandei esse movimento sozinha! E isso não foi só uma vitória pra mim, foi a confirmação de que acima de tudo "irmão" eu te agradeço, muito. Por ter me dado a tua confiança, por ter sido a minha base durante dois anos. Você foi o melhor laço que já tive no Parkour. 
E um obrigada em dobro por ter quebrado isso, eu não sei se teria a confiança que tenho hoje se não fosse por essa quebra! 

Obrigada.


6 comentários:

  1. Esse desabafo apareceu em um momento muito importante para mim. Obrigado Patty e parabéns, seus relatos trazem boas reflexões. Saúde e Paz.

    ResponderExcluir
  2. Muito bom o texto, nos faz repensar! Adorei

    ResponderExcluir
  3. Eu precisava ler isso. Excelente.

    ResponderExcluir