quarta-feira, 7 de março de 2012

Gostaria de entrar e tomar uma xícara de café?

Por Carolinne Goes - ES

Nunca me senti tao bem quanto ultimamente.
No dia 24 de março eu faço 3 anos de parkour, não consecutivos. Sempre ia aos treinos, mas tinha muito medo, vergonha de tentar algumas coisas e cair, errar, de não evoluir e saber que tem alguém que faz melhor que eu, também tinham outras coisas na minha vida, resumindo, não levava o treino muito a sério, treinava mais por hobby. No ano passado eu estava há muito tempo sem treinar e foi no dia do meu aniversário que eu disse pra mim 'quero treinar direito'.
Por que eu tô contando essa historinha? Porque ontem (04/03) eu subi o Mestre Álvaro, não fomos até o topo, fomos até uma parte que tinha uma cachoeira (deu mais de 1h de caminhada), mas eu subi!




Em 2009, quando teve o 2° encontro estadual aqui, foi quando conheci muitos praticantes (até então só conhecia o Marcelo) e me encantei pela atividade, eu lembro que no domingo após o 2° encontro eles iriam subir o Mestre Álvaro, e eu obviamente não fui por ser fraca e saber que ia dar merda.
Depois de 3 anos eu finalmente fui... Cara, eu quase morri! Teve uma hora que eu achei que não iria conseguir, aí o Rodolfo foi lá e pegou minha mochila (que tava pesada porque tinha água e comida), o Daniel me deu água e o Kim ficou do meu lado dizendo 'respira e anda logo', eu lavei o rosto e falei pra mim mesma 'parar de palhaçada e subir esse negócio logo, não vim aqui pra dar vexame!'. E subi xD
Que felicidade quando finalmente chegamos à cachoeira. O dia de ontem foi um dia de superação pessoal e muitas coisas que estão acontecendo este ano estão sendo assim, conseguir climbar (tá feio pra caramba, mas tô treinando pra melhorar), fazer precisões cada vez maiores, fazer precisão do alto pra um lugar baixo (putz, que medo eu tinha disso), as minhas flexões feionas que a Tati fica dando altas dicas pra melhorar, tentar um webster e quase conseguir (tenho medo de giro e isso é fato), um flow que quando eu vejo me dá uma certa satisfação (e pensar que antigamente eu nunca deixava ninguem me filmar porque qualquer coisa que eu fizesse achava horrível). A verdade é que ainda não tem nada extremamente foda, mas eu consigo fazer coisas que eu nunca consegui e essa sensação é incrivel! Treino passado eu até me peguei ensinando um movimento pra um novato, na hora que percebi o que tava acontecendo fiquei tão feliz e com tanta vontade que ele conseguisse fazer a parada.
Essa história de superação, eu sempre ouvia as pessoas falarem, achava que era coisa de quem já era fodão, mas pela primeira vez eu senti :)
Esse texto é pra Traceuse novata que vê a Isis Ribas e a Juliana Dantas em vídeo e pensa 'como elas chegaram até lá?'. Que viu a Priscila organizar um evento inteiro e mostrar que é feita de raça. Que vê a Tatiana fazer flexões que você nem sabia que eram possíveis sendo que você não consegue fazer nem 5 normais. Que olha o video da Kat e da Sasha e tem a certeza de que é isso que você queria estar fazendo. Eu sempre senti vontade, mas eu nunca tinha transformado cada segundo de inspiração e vontade em atitude!
Toda vez que eu vejo um vídeo ou sinto aquela vontade do caralho de treinar e evoluir, eu levanto na hora e vou me alongar, fazer físico, encher o saco da primeira que estiver online pra pedir dicas (e executá-las), não posso deixar aquele momento de 'sangue no zoio' passar batido. E como esse é um daqueles momentos, vou levantar e ralar o cotovelo no muro tentando climbar.
Força, Foco, Fé e NUNCA desistir!





E um dia, estava a força de vontade dormindo ao lado da preguiça, quando sua alma se apaixonou...
E disse a vontade para a evolução: Gostaria de entrar e tomar uma xícara de café? 
Repondeu a Evolução: Pois vai ser muito incômodo!

3 comentários:

  1. Seu texto ficou lindo e conseguiu transmitir todo o carinho e sentimento que você sente pelo parkour. Acho que você podia ter colocado uma foto do "Mestre Álvaro" porque a gente de fora não faz a mínima idéia do que você tá falando HUAUHUHAUHUHUHUHUUHAUH e se você colocasse a gente entenderia ainda mais sua vitória.

    Outra coisa: "Treino passado eu até me peguei ensinando um movimento pra um novato, na hora que percebi o que tava acontecendo fiquei tão feliz e com tanta vontade que ele conseguisse fazer a parada."

    Isso é lindo. E continue! É uma sensação de dever cumprido e missão realizada quando um iniciante aprende algo, né?

    Muito bom ler o seu relato! E principalmente porque ele dá toda a força que as mais novas irão precisar pra acompanhar as outras raçudas do Brasil.

    ResponderExcluir
  2. Verdade Duddu, esqueci que quem nao é daqui nao conhece uhsahusauhasa

    Mas o Mestre Álvaro é considerado uma das maiores elevações litorâneas da costa brasileira (disse o Wikipedia). Agora coloquei uma foto :)

    ResponderExcluir
  3. Muito bom Carol, deixo bem definido sua história e a de outras meninas do parkour e muito mais que se for pra resumir eu faria um texto gigante, que por natureza da realidade eu diria muito mais, Vc e muito carismática e que tenha muitos ano de parkour e muito mais.
    Uma grande amiga que jamais irei esquecer.

    ResponderExcluir